Pera aí!

Pera aí!

Meu nome é Gabriel Morini Duarte, tenho 22 anos e sou formado em Publicidade e Propaganda pela Anhembi Morumbi da Vila Olimpia.
Nasci e cresci no interior de São Paulo, em Presidente Prudente. Me mudei para esta grande metrópole em 2012, no meu segundo ano da faculdade, aos 17 anos.

Aos 18, após passar por outros 3 estágios em empresas de menor porte, fui aprovado no programa de estágio da Avon. Um processo realizado pela CIA de Talentos – Recomendo você entrar no site, caso esteja buscando estágio ou trainee – foram 4 fases. Primeiro você se candidata online e faz os testes. Depois eles te chamam para uma dinâmica em grupo, ainda no escritório da CIA de Talentos, foi divertido e interessante ver o quanto há jovens despreparados ainda nesta fase. #ficaadica desde o começo saiba que você esta entrando no mundo adulto, ainda que para uma vaga de estagiário, saiba que você precisa agir como adulto.

Na terceira fase pude finalmente conhecer o escritório da AVON America Latina, super bem localizado, era um sonho de consumo poder trabalhar ali. Novamente uma dinâmica em grupo onde cada um precisava pegar um “case” real e buscar a solução. Além disso cada um tinha que preparar uma apresentação de até 5 minutos que falava sobre você. Quem você era, porque queria trabalhar ali, quais suas visões do futuro, etc. Ainda lembro da minha apresentação.

Eram 4 slides, todos em P&B. O primeiro trazia meu nome e o desenho a lapis de um globo. Meu speech era sobre como eu gostaria de conhecer o mundo, não apenas viajando, mas também trabalhando. Como eu me sentiria honrado em trabalhar em uma empresa Global como a Avon. No segundo Slide tinha penas o desenho de um olho. Neste momento eu discursava sobre minhas qualidades, aquilo que me qualificava para a vaga, começando com o adjetivo: Observador. No slide número três estava a ilustração de uma lata de Coca-Cola. Mas o que que tem haver uma Coca-cola Gabriel??? Este era meu exemplo do profissional que eu queria ser, um profissional do gabarito de uma Coca Cola. Citei essa marca como meu maior exemplo de Marketing e inspiração. E no quarto e ultimo slide novamente apenas meu nome. E finalizei dizendo: Quero ser um profissional reconhecido pelo nome, quero que as pessoas da minha área, saibam quem eu fui.

Simples, completo e eficiente. Fui para a quarta fase que era uma entrevista com os possíveis gestores. APROVADO!

Compartilhe!

Comentários

E aí… Quais eram os planos?

E aí… Quais eram os planos?

Não havia. Com minhas pesquisas, uma verdadeira corrida contra o tempo, descobri que agora está se tornando cada vez mais comum meninos fazendo Au Pair. Para aqueles não conhecem, Au Pair é um programa de intercâmbio oferecido pelo governo dos Estados Unidos, onde você morará e trabalhará com uma família local cuidando de seus filhos. Em um próximo post explico melhor como funciona e os detalhes.

Além deste caminho, um tanto quanto inusitado e longo, também encontrei um caminho mais “simples”, confesso que também muito mais caro e em diversos aspectos mais desafiador. Mas hoje posso dizer, sem hesitação, que também foi tremendamente compensador. Mas que caminho é este menino??? VOLUNTARIADO. Onde? Na Ásia.

Comecei a pesquisar sobre ambas as oportunidades, colocar na balança aquilo que mais acrescentaria na minha vida pessoal e profissional. E decidi. Dei entrada no processo de Male Au Pair e coloquei um target para encontrar uma família. Se eu não encontrasse uma família de Novembro até o fim de Dezembro, eu embarcaria na minha aventura pela ÁSIA. E assim foi.

No dia 24 de Dezembro de 2016 comprei minha passagem para a India, embarcando no dia 30 de Janeiro de 2017. Após esta compra comecei a não só montar meu roteiro, mas incluir cada desejo do meu coração na minha lista de desejos para 2017, afinal este seria um ano de grandes mudanças. E vem sendo

Beijos, Gabes

Compartilhe!

Comentários

O dia “D”

O dia “D”

Assim como aqui escrevo, recebi uma mensagem via Lync (programa de chat em tempo real da Microsoft) algo que mudaria o meu percurso para sempre. Era segunda-feira 17 de outubro de 2016, a ansiedade já tomava conta de mim há algumas semanas, as 19h eu desliguei meu computador enquanto era tomado por uma sensação de ódio, angustia, frustração, tristeza e muita, muita decepção.

Levantei da minha mesa e caminhei até a sala de diretor mais próxima, dali liguei para minha mãe. Contei de forma resumida o que estava acontecendo. Como toda mãe, ela tentou me acalmar, mas quanto mais ela dizia palavras de conforto, mais meu coração se enfurecia. Sai dali transtornado, tomado completamente pela raiva e frustração. Ao chegar no meu apartamento, me tranquei no quarto e apenas chorei. Eu soluçava. Eu queria gritar. A dor era tão grande que adormeci enquanto chorava.

Terça-feira, 18 de outubro de 2016, eu não fui ao escritório, decidi que trabalharia de casa. Naquela manhã eu já sentia o adeus. Aproveitei para fazer algumas pesquisas, fazer os cálculos da minha demissão. Planejar alguns caminhos possíveis, até então inimagináveis. Três dias antes eu estava buscando apartamento na Cidade do México, planejando onde iria morar, checando distância até o trabalho e a Pós. Nesta terça eu já não tinha rumo, qualquer lugar poderia se tornar o meu lugar.

Quarta-ferira, 19 de outubro de 2016 o dia D. Cheguei ao trabalho cedo, como de costume, esperei que a pessoa do RH chegasse e assim que a vi fui de encontro para ter uma conversa. Já era a conversa final. Antes mesmo que meu diretor chegasse no escritório, a minha carta já estava assinada. Esperei até o momento agendado. Sentamos em uma sala de vidro, onde todos podiam nos ver, mas ainda assim eu me sentia invisível. Ali disse: Pra mim não da mais. Eu cheguei no meu limite.

Com um aperto no coração, neste momento eu me despedia de 3 anos de muitas experiências, muito crescimento profissional, pessoal e encontros que se tornaram amizades para a vida. Sem sombra de dúvidas tiveram muitos momentos ruins. Não foram poucas as lagrimas derramadas ali. Mas hoje, 7 meses depois, vejo que muitos destes momentos me possibilitaram coisas incríveis. De fato, há males que vêm para o bem.

Beijos, Gabes

Compartilhe!

Comentários